Barra do Garças – MT – 10 de dezembro de 2023

Festival celebra cultura indígena em aldeia guarani no Jaraguá, em SP


A Casa de Reza foi a primeira parada para quem aceitou o convite, na manhã deste domingo (29), para conhecer o território guarani na capital paulista durante a primeira edição do Festival Yvy Porã “Jaraguá é Guarani”. Com as danças tangará e xondaro, os guarani acolhem os participantes em uma das atividades previstas na programação: a Trilha Tape Porã (Bom Caminho) pela Mata Atlântica. “Os guerreiros [na dança] recebem as pessoas mostrando que a nossa forma de resistir é desviando dos obstáculos que aparecem, não lutando”, explica o xondaro Tiago Karai, um dos guardiões da terra indígena.

“É uma oportunidade de o nosso território dialogar com vocês, e vocês dialogarem com o nosso território. Que através da informação e do diálogo a gente consiga quebrar esse preconceito e essa ignorância”, diz Karai ao receber os convidados. A Terra Indígena (TI) Jaraguá ainda enfrenta disputas judiciais para a demarcação de terra definitiva. Em 2017, a Portaria 693 do Ministério da Justiça e Segurança Pública reduziu a extensão da TI a 1,7 hectare, quando o processo de demarcação indicava que a reserva deveria ser de 512 hectares. Uma liminar, naquele mesmo ano, suspendeu a portaria.

A primeira parada, após a apresentação na Casa de Reza, é o Meliponário, o espaço Eira Nhangareko, que reúne apenas algumas caixas das mais de 500 que são mantidas no território. São espécies nativas sem ferrão, chamadas de abelhas indígenas. “As abelhas nativas sempre tiveram um vínculo sagrado com o povo guarani, o nosso nome sagrado vem das velas feitas pela cera da abelha e da casca dessas árvores que a gente está vendo aqui, como o cedro”, explica Karai. São criadas nove espécies de abelhas que já estavam extintas naquele território. “A gente protege a onça amarela, a mandaçaia, a mandaguari, a tubuna, a arapuá, a jataí, mirim, a marmelada, a borá”, enumera.

Festival Jaraguá é Guarani Yvyporã na aldeia Tekoa Yvy Porã, em Vila Jaraguá, zona oeste da capital paulista.

Trilha também incluiu uma apresentação de armadilhas guaran na aldeia Tekoa Yvy Porã, em Vila Jaraguá, zona oeste da capital paulista. – Rovena Rosa/Agência Brasil

A trilha também incluiu uma apresentação de armadilhas guarani, no espaço Jeporaka Reko Reguá. Os indígenas explicam que, mesmo sem praticar a caça, esse conhecimento ancestral é repassado de geração a geração, fortalecendo raízes milenares. Lúcia Rodrigues, 68 anos, veio para o festival com amigos. Ela não conhecia a TI e, apesar de observar certa precariedade, disse ter se sentido transformada pela visita. “É triste que um povo tenha que pedir pela sua sobrevivência, mas, ao mesmo tempo, é muita coragem”, pontua. O passeio pela mata termina com uma música tradicional guarani, antes de retornar para as demais atividades da programação.

A estudante de arquitetura Isabela Cabelo, 22 anos, mora em Santana, um bairro da zona norte paulistana, e não sabia da existência do território indígena. “É muito importante saber e conhecer essa luta que é desde sempre. Todo mundo deveria apoiar a causa”, disse à Agência Brasil. Ela estava acompanhada do analista de marketing Josué Assis, 21 anos, que também não conhecia a TI e se disse surpreso com o território dentro de São Paulo. “A história sempre me comove, então entender as nossas raízes, de onde viemos, é muito importante”, apontou.

Programação

Além da trilha, o festival apresentou diversas atrações da cultura guarani, como venda de comidas típicas, artes plásticas e artesanato. Ao longo do dia, foram feitas rodas de conversas sobre temas como os dialetos indígenas, juventude e prevenção, política e resistência.

Nas atrações musicais, se apresentaram o Coral Guarani Mbya, Xondaro Nômade, Karaí Ruvixá, Owerá, Eric Terena, Brisa Flow, Ian Wapichana, Kantupac, Dead Bolsonnaro’s, Carlos Xavier, Katu Mirim e Indaiz.



agenciabrasil

Últimas notícias

Gostou? então compartilhe!